Duque de Viseu 2008 (Tinto)

Região: Dão 
Produtor: Sogrape
Castas: Touriga Nacional, Tinta Roriz
Custo: € 3,33 (Continente; preço promocional)
Álcool: 13,5 %
Vertido na folha: Relativamente escuro e denso. Bom aroma frutado, acompanhado com perfume floral e fundo especiado. Medianamente encorpado, fresco, suave e equilibrado, termina com notas amargas e de barrica. Aposta segura. Quando sai um Duque sai uma cena alegre.
Rolha: Natural, curta, zonas de progressão de vinho até cerca de 1/3 da rolha
Consumido: Fevereiro 2012
Apreciação: Companheiro

Montes Claros Reserva 2009 (Tinto)


Região: Alentejo
Produtor: Adega Cooperativa de Borba
Castas: Aragonez, Trincadeira, Cabernet Sauvignon, Tinta Caiada
Custo: € 4,49 (Continente; preço promocional)
Álcool: 14,5%
Vertido na folha: Trata-se de um exemplo em que as informações do contra-rótulo são fieis às sensações havidas. Apresentou-se com cor granada de intensidade média. No nariz senti essencialmente fruta compotada, especiarias e um leve cacau. A boca mostrou-se relativamente encorpada com os sabores compotados esperados, boa acidez e taninos a darem um ar da sua graça. Final com bom comprimento com aflorações de baunilha. Um vinho que segue um registo relativamente constante do nariz ao final de boca.
Rolha: Natural, colmatada, apenas molhada na base
Consumido: Fevereiro 2012
Apreciação: Companheiro

Tons de Duorum 2009 (Tinto)


Região: Douro
Produtor: Duorum Vinhos
Castas: Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz
Custo: € 2,62 (Continente; preço promocional)
Álcool: 13,5%
Vertido na folha: O triunvirato de castas típico da maior parte dos vinhos durienses apresenta-se aqui com uma cor relativamente aberta. O nariz revela-se dominado pela fruta com notas vegetais e alguma especiaria de barrica. A boca é fiel ao nariz, apresentando-se com corpo médio, equilibrada e prazenteira. Um bom companheiro para o quotidiano.
Rolha: Natural, apresentou um zona de progressão de vinho até cerca de metade da rolha
Consumido: Fevereiro 2012
Apreciação: Companheiro

Niepoort LBV 2007 (Porto)

Região: Porto
Produtor: Niepoort Vinhos
Castas: Típicas do Douro/Porto 
Custo: € 11,66 (Adegga Wine Market)
Álcool: 20% 
Vertido na folha: Muito escuro, denso. Muito bom nariz, com muita fruta vermelha/preta, especiado, chocolate preto. Boca bem proporcionada, ampla, de perfil mais seco que a maioria dos LBV do mercado que a boa acidez e estrutura ajuda a explanar na boca. Final muito saboroso e persistente. Um dos melhores LBV que bebi nos últimos tempos. As garrafas precisam de vigilância por causa da rolha.
Rolha: Natural, apresentou progressão de vinho quase até ao topo
Consumido: Fevereiro 2012 
Apreciação: Com Alma

Quinta da Garrida Touriga Nacional Reserva 2004 (Tinto)

Região: Dão
Produtor: Aliança
Castas: Touriga Nacional
Custo: € 9,90 (Jumbo)
Álcool: 14,5%
Vertido na folha: Escuro, ainda com pouco peso da idade. Boa intensidade aromática, dominada por especiarias e notas terciárias. A boca acompanha o nariz, com suavidade e garra em diálogo, fresco e com boa persistência final com notas de barrica e alguma fruta a espreitar. Muito equilíbrio e prazer.
Rolha: Natural, bom estado, molhada apenas na base
Consumido: Fevereiro 2012
Apreciação: Cordial

Quinta do Regueiro Reserva Alvarinho 2010 (Branco)

Região: Verde
Produtor: Quinta do Regueiro
Castas: Alvarinho
Custo: € 6,76 (Solar do Alvarinho)
Álcool: 13% 
Vertido na folha: Cor com nuances douradas. Nariz intenso, dominado pelos aromas citrinos (fruto e folha), mineral com fundo tropical. Boca com amplitude generosa, fresco, elegante, termina firme e longo. Estes Regueiro costumam apresentar boa longevidade. Por isso, guarde-se algum para consumo posterior.
Rolha: Natural, curta, bom estado, apenas molhada na base.
Consumido: Fevereiro 2012 
Apreciação: Cordial

Vale D'Algares Selection 2008 (Tinto)

Região: Tejo 
Produtor: Quatro Âncoras
Castas: Touriga Nacional, Petit Verdot
Custo: € 12,72 (Adega Wine Market)
Álcool: 14%
Vertido na folha: Cor carregada. Aroma intenso, perfumado e bem proporcionado com flores, fruta e especiarias. Encorpado na boca, apresenta-se ao longo da prova em diálogo doce/amargo permanente, com cedências à barrica mas mantendo a frescura que o faz bom companheiro de mesa.
Rolha: Natural, bom estado, molhada apenas na base
Consumido: Fevereiro 2012
Apreciação: Cordial

Casal da Coelheira Reserva 2009 (Tinto)

Região: Tejo
Produtor: Centro Agrícola do Tramagal
Castas: Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon, Touriga Franca
Custo: € 4,98 (Continente)
Álcool: 13,5%
Vertido na folha: Concentrado na cor. Aroma a que é difícil ficar indiferente tal a exuberância frutada, floral, especiada e de pimento verde que apresenta, tudo bem acompanhado por suaves notas de barrica. A boca é o prolongamento fiel do nariz, muito agradável, com bom equilíbrio e suavidade e um final de bom comprimento. Muito ao gosto feminino que o beberá "como água". Cuidado, portanto. Ou talvez não...Muito boa relação qualidade-preço.
Rolha: Natural, bom estado, apenas molhada na base
Consumido: Fevereiro 2012
Apreciação: Cordial

Esteva 2010 (Tinto)

Região: Douro 
Produtor: Sogrape
Castas: Tinta Roriz, Touriga Franca, Tinta Barroca
Custo: € - (Oferta)
Álcool: 13%
Vertido na folha: Há muito que não bebia Esteva. É um vinho em que tropeçamos nele em todo o lado, tal é a disseminação. É um pouco como o Monte Velho ou o Porta da Ravessa… Este apresentou-se com intensidade de cor mediana e nariz jovem, frutado, com notas vegetais e leve especiaria. A boca mostrou-se directa, bem composta, descomprometida e alegre. Bebe-se bem e rapidamente como que a dizer, "estev…aqui" mas já se foi... Três euros e picos na prateleira.
Rolha: Natural, curta, bom estado, apenas molhada na base
Consumido: Janeiro 2012
Apreciação: Companheiro

Vinho para intolerantes a sulfitos

Investigadores do Departamento de Química da Universidade de Aveiro (UA), venceram o prémio Investigação do AGROFOOD iTECH, dirigido a projectos tecnológicos inovadores com potencial de comercialização.
A equipa da UA, liderada por Manuel Coimbra e Cláudia Nunes, apresentou uma forma de produzir vinho branco sem recurso à adição de anidrido sulfuroso.

Leia toda a notícia aqui.


Refira-se que o polissacarídeo que substitui o anidrido sulfuroso, a quitosana (imagem em cima), é já há muito conhecido e tem tido aplicações em várias áreas. Na agricultura, é usado para tratamento de sementes, acelerador do crescimento das plantas e biopesticida. Pode ser usado como agente filtrante no processo de tratamento de água (remoção de partículas em suspensão). Neste particular, pode ajudar no processo de clarificação do vinho e é natural que já tenha sido usado para este efeito. Existem também à venda produtos dietéticos/emagrecimento que têm este componente. Acredita-se que limite a absorção de gorduras pelo organismo.
Quem quiser saber mais poderá pesquisar na literatura científica pelo termo em inglês chitosan.

Barros Vintage 2000 (Porto)

Região: Porto
Produtor: Barros
Castas: n/d
Custo: € -
Álcool: 20% 
Vertido na folha: Muito escuro, denso. O aroma sugere uma transição entre a fruta madura e os frutos secos. O primeiro impacto na boca é compotado, sugerindo figos, desenvolve-se posteriormente na boca com um perfil seco/meio-seco e de amplitude média. O final é relativamente mortiço. Parece que o apanhei na dita "fase estranha" de que padecem muitos vintage...
Rolha: Natural, desfez-se parcialmente ao ser retirada
Consumido: Janeiro 2012
Apreciação: Companheiro