Fiúza Sauvignon 2009 (Branco)

Região: Tejo
Produtor: Fiúza e Bright
Castas: Sauvignon Blanc
Custo: € 2,14 (Continente; preço promocional)
Álcool: 12,5%
Vertido na folha:  Amarelo citrino. Aroma algo contido, predominantemente a fruta tropical com ligeiras notas herbáceas. A boca é um pouco mais exuberante, permanecendo as sensações do nariz, com corpo médio, mas simples e com final de média persistência. O vinho mostra-se um pouco mais se bebido no limite superior de temperatura adequada para brancos. É um vinho correcto, para beber descontraidamente à mesa, que teor alcoólico também ajuda. Bom vinho para o preço promocional. Ao preço normal já não me parece uma boa compra. Apreciado em Setembro 2010.

Feiras de Vinhos Supermercados 2010

As feiras de vinhos dos principais supermercados andam aí, na versão de 2010:


O Continente (28 de Setembro a 17 de Outubro) mantém a colaboração do enólogo e crítico de vinhos Aníbal Coutinho como consultor para a sua Feira de Vinhos, denominada “Vinhos 2010”. A apresentação dos vinhos no catálogo está dividida por regiões vitivinícolas em que são destacados alguns vinhos em cada região. Não há notas de prova. A novidade deste ano é a apresentação da gama de vinhos “Contemporal” (marca de venda exclusiva do Modelo/Continente) com a assinatura de Aníbal Coutinho. A oferta de vinhos do catálogo é relativamente diversificada desde os vinhos de entrada de gama até alguns vinhos de qualidade bem superior. Alguns vinhos têm preço promocional para os clientes com cartão e outros ficam mais baratos se comprados em quantidade, com a oferta de uma garrafa na compra de duas ou três, por exemplo. A legenda da imagem dos vinhos no catálogo continua (ano após ano) a não conter o ano de colheita. Como a imagem de alguns vinhos não é elucidativa, só presencialmente é que os clientes têm noção do ano de colheita desses vinhos.
O Jumbo (20 de Setembro a 10 de Outubro), sob o título “Prova de Vinhos 2010”, mantém-se fiel à campanha “Leve 6 Pague 5”, iniciada já há alguns anos. Tal como no Continente, a apresentação dos vinhos no catálogo está dividida por regiões vitivinícolas, são destacados alguns vinhos em cada região, não há notas de prova e a legenda da imagem dos vinhos no catálogo não contém o ano de colheita. A oferta de vinhos do catálogo é também diversificada mas este ano, ao contrário dos anteriores, parece ficar um pouco aquém da do Continente.
A Feira de Vinhos do El Corte Inglês (24 de Setembro a 21 de Outubro), tal como no ano anterior, intitula-se “O Vinho”. A oferta de vinhos é bastante diversificada situando-se, em termos de qualidade média das propostas, um pouco acima das feiras de vinhos da concorrência. Existem textos introdutórios sobre as várias regiões vitivinícolas a cargo de João Paulo Martins e alguns vinhos apresentam notas de prova. Saliente-se a indicação nas legendas das imagens do vinho o respectivo ano de colheita, ao contrário do que acontece nos catálogos do Continente e Jumbo.
Finalmente, o Pingo Doce (25 de Agosto a 5 de Outubro) mantém-se fiel à política de propostas dos anos anteriores. Sob o título “Vinhos & Sabores da nossa terra”, mantém-se a campanha “Leve 6 Pague 5”. De todas as feiras esta é a que apresenta, em termos de qualidade média, o conjunto de vinhos mais pobre (política assumida que privilegia os vinhos de entrada de gama, mais baratos, aos restantes). Também aqui, são apresentados vinhos das várias regiões vitivinícolas, alguns destacados com a respectiva nota de prova. A legenda da imagem dos vinhos no catálogo também não contém o ano de colheita, tal como acontece no continente e Jumbo.
Em termos gerais pode dizer-se que as novidades (novas colheitas/marcas) não abundam nas campanhas. Um ou outro vinho continua a aparecer ano após ano nos folhetos (as garrafas devem ter já criado raízes na prateleira…) e não será desta que se vão vender… Apesar das feiras de vinhos não serem muito entusiasmantes (já alguns anos que é assim) encontram-se boas propostas de vinhos a bom preço. No link abaixo podem-se encontrar algumas dessas referências, com indicação do preço, local de compra e informação daqueles que, no meu entender, se destacam pela melhor relação qualidade/preço. Há desde vinhos mais fáceis, correctos, companheiros de mesa no dia-a-dia até àqueles que dão muito mais prazer a beber e merecem uma prova mais atenta.

Com responsabilidade e moderação, à nossa saúde!

Propostas Vinhos Supermercados 2010

Guarda Rios 2009 (Branco)

Região: Tejo
Produtor: Quatro Âncoras
Castas: Chardonnay, Sauvignon Blanc, Alvarinho, Arinto
Custo: € 7,37 (Supermercados Sá)
Álcool: 13%
Vertido na folha: Amarelo-palha. No nariz, destaque para as notas tropicais (toranja, maracujá, ananás) e cítricas acompanhadas por nuances vegetais e fumado discreto de madeira. Ataque de boca acídulo, ligeira agulha, revelando-se de seguida um vinho com algum peso, untuosidade e final de média persistência. A sensação acídula inicial parece não acompanhar toda a prova pelo que se nota algum amuo entre a acidez e o corpo. O nariz parece levar-nos para um consumo de Verão mas a boca pede-nos que esperemos pelo Outono. Um vinho em confronto interno à espera de apaziguamento. Apreciado em Setembro de 2010.

International Wine Challenge 2010 Londres

Todos falam no vinho ribatejano "Tributo 2008 Tinto" por ter recebido um "Trophy" (o prémio mais importante) do concurso International Wine Challenge de Londres, onde foram provados mais de nove mil vinhos de cerca de 50 países. Deverá ser notícia por dever ser a primeira vez que um vinho da região Tejo recebe este troféu. O vinho até foi escolhido para ser servido durante a refeição de entrega dos prémios. Ora o que o comum dos mortais não sabe, porque a imprensa não diz (não se informa ou não quer dizer...), é que foram premiados 118 vinhos com este troféu, dos quais onze vinhos portugueses:




Toca a subir o preço dos vinhos, como é costume...

 

Alvor Colheita Seleccionada 2008 (Tinto)

Região: Algarve
Castas: Touriga Nacional, Trincadeira, Alicante Bouschet, Syrah
Custo: € 5,49 (Garrafeira Why Not, Albufeira)
Álcool: 13,7%
Vertido na folha: Ruby de intensidade média. Aroma quente a fruta vermelha muito madura, algum vegetal e notas de madeira. Corpo médio onde sobressaem as notas vegetais, acompanhadas de notas caramelizadas e taninos a mostrarem-se num final de média intensidade. Para a mesa. Apreciado Agosto 2010.

Quinta do Portal Vintage 2005 (Porto)

Região: Porto
Produtor: Quinta do Portal
Castas: Várias 
Custo: € 14,79 (Modelo; preço promocional)
Álcool: 20% 
Vertido na folha: Retinto, espesso, típico de vintage com juventude. Nariz pouco falador a início, abre com arejamento apresentando boas notas de fruta vermelha, especiarias e afloramentos de cacau. A boca apresenta boa intensidade, harmonia e bom envolvimento onde sobressaem os frutos silvestres e taninos ainda espigados. O final de boca é médio/longo com notas fumadas, chocolate e cereja bem madura. Apreciado em Agosto 2010.

Deu-la-Deu Alvarinho 2009 (Branco)

Região: Verde
Castas: Alvarinho
Custo: € 5,89 (Continente)
Álcool: 13%
Vertido na folha: Amarelo citrino. Aroma de intensidade média à casta, revelando citrinos, fruta branca, algum vegetal e ligeira tropicalidade. Boca de intensidade média a fruta branca, acidez a compor o conjunto mas com pouco nervo. Está um pouco mais plano que em anos anteriores. Apreciado em Agosto 2010.

Os Melhores Vinhos do Ano, segundo JPM (24 Setembro 2010)

O quê: Prova dos melhores vinhos do ano, segundo o jornalista e crítico João Paulo Martins, resultado das provas vínicas para o seu guia "Vinhos de Portugal 2011".
Onde: Hotel Dom Pedro Lisboa
Hora: 21h
Preço: € 40.00 (+ IVA)
Promotor: Viniturismo
O que é preciso: Inscrição prévia através do site do promotor.
Mais informações: Por exemplo, aqui.

Eis os vencedores:

Abandonado 2007 Tinto (Douro)
Charme 2008 Tinto (Douro)
Cortes de Cima Homenagem a Hans Christian Andersen 2008 Tinto (Alentejo)
Grandjó Late Harvest 2007 Branco (Douro)
J de José de Sousa 2007 Tinto (Alentejo)
Marquês de Borba Reserva 2008 Tinto (Alentejo)
Obsessão 2004 Tinto (Alentejo)
Outeiro 2008 Tinto (Alentejo)
Paço dos Cunhas de Santar Vinha do Contador 2009 Branco (Dão)
Pintas 2008 Tinto (Douro)
Quinta do Couquinho Grande Reserva 2007 Tinto (Douro)
Quinta do Monte d' Oiro Reserva 2006 Tinto (Lisboa)
Quinta do Vale Meão 2008 Tinto (Douro)
Redoma Reserva 2009 Branco (Douro)
Três Bagos Grande Escolha 2007 Tinto (Douro)


Vinhos do Alentejo em Lisboa (24-25 Setembro 2010)

O quê: Prova livre de vinhos do Alentejo, conversas sobre vinho, provas comentadas com especialistas e música. Também vai haver petiscos alentejanos a acompanhar.
Onde: LX Factory
Hora: Dia 24: 16-22h;  Dia 25: 15-22h
Preço: Entrada livre; Provas comentadas: € 5.00
Promotor: Comissão Vitivinicola Regional Alentejana
Mais informações: Aqui

Garrafeira em casa: planta ideal para arrumar vinhos

A Deco Proteste publicou algumas dicas sobre guarda, conservação e consumo de vinho. Podem ser vistas aqui.
Podiam... porque para já parece que é só para assinantes... As minhas desculpas.

Estreia Grande Escolha Loureiro 2009 (Branco)

Região: Verde
Castas: Loureiro
Custo: € 3,49 (Continente; preço promocional)
Álcool: 12%
Vertido na folha: Amarelo-citrino. Aroma floral com notas de fruto cítrico. Boca mediana directa, fresca, cítrica e algum nervo com final acídulo e alguma amargura. Preço inflacionado para a degustação que proporciona. Apreciado em Agosto de 2010.

Castello d'Alba Reserva 2008 (Branco)

Região: Douro
Castas: Códega do Larinho, Rabigato, Viosinho
Custo: € 5,18 (Supermercados Sá)
Álcool: 13,5%
Vertido na folha: Amarelo-vivo de média intensidade. Aroma não muito exuberante com notas minerais, algum exotismo e nuances de madeira. Corpo generoso na boca, citrinos, alguma doçura e toque amanteigado equilibrado por boa acidez e final longo com notas abaunilhadas. É um vinho que é difícil não gostar e bastante democrático no acompanhamento à mesa. Óptima aposta nesta gama de preço. Apreciado em Agosto 2010.

Quinta da Lixa Alvarinho 2009 (Branco)

Região: Verde
Produtor: Quinta da Lixa
Castas: Alvarinho
Custo: € 5,99 (Continente)
Álcool: 13%
Vertido na folha: Amarelo-citrino intenso. Aroma vincado à casta, mineral, cítrico, fruta de árvore verde e nuances tropicais. Boca com boa intensidade, equilibrada, acidez e fruta em bom plano e final persistente. Um bom Alvarinho num ano não muito fácil para a casta. Apreciado em Agosto 2010.

Cluster quer preservar castas durienses

A preservação das castas durienses, evitando a erosão do património genético acumulado durante séculos, é um dos objectivos do Cluster dos Vinhos do Douro, liderado pela Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense (ADVID) que promoveu no dia 3 de Setembro, no Peso da Régua, uma sessão de divulgação e debate sobre o Cluster dos Vinhos da Região Demarcada do Douro. O objectivo foi fazer um ponto de situação sobre os projectos que estão a ser desenvolvidos com vista à modernização do sector vitivinícola duriense. Uma das iniciativas é a preservação da variabilidade genética das castas durienses, que foi alvo de uma candidatura a fundos comunitários. O projecto será integrado num programa de preservação da biodiversidade das castas a nível nacional. Será preservado um conjunto de plantas em quantidade suficiente que permita fazer estudos de variabilidade genética no futuro. Para além da aposta na formação, o cluster irá desenvolver estudos para ajudar a região a enfrentar as alterações climáticas, promover projectos relacionados com a zonagem e cartografia da região, avaliação do potencial enológico das uvas ou a produção sustentada em viticultura. O objectivo é tornar a produção dos vinhos durienses mais competitiva e ecológica e aumentar a qualidade do produto. O cluster congrega empresas exportadoras, sociedades vitivinícolas, produtores engarrafadores, adegas cooperativas, associações sectoriais, organismos reguladores, universidades nacionais e estrangeiras, empresas metalúrgicas, biotecnológicas, consultoras agrícolas ou viveiristas.

Notícia completa aqui.

Solar dos Lobos 2008 (Branco)

Região: Alentejo
Produtor: Lobo da Silveira
Castas: Chardonnay, Sauvignon Blanc, Arinto, Antão Vaz
Custo: € 3,62 (Fumos & Mitos, Albufeira)
Álcool: 14%
Vertido na folha: Amarelo citrino de média intensidade. Nariz e boca parecem dominados pelo Chardonnay, com as notas típicas amanteigadas, cortadas por uma boa acidez citrina e fruta de árvore. O final é harmonioso e generoso com nuances especiadas. Vinho interessante, com alguma complexidade. Atenção ao álcool. Apreciado em Agosto 2010.

Quinta de Gomariz Loureiro Colheita Seleccionada 2009 (Branco)

Região: Verde
Castas: Loureiro
Custo: € 4,99 (Jumbo)
Álcool: 11,5%
Vertido na folha: Cor citrina brilhante, com presença de bolha. Nariz generoso a fruta branca e nuances florais. Boca frutada, equilibrada e com alguma agulha que lhe confere muita frescura. Final persistente e muito agradável. O teor alcoólico convida a uma degustação quantitativa mais generosa… Apreciado em Agosto 2010.

Tasca do Joel (Agosto 2010)

Finalmente lá fui à Tasca do Joel após muito tempo (anos) com vontade de lá ir. O objectivo foi almoçar no restaurante e depois fazer uma visita pela garrafeira/loja gourmet.
Quanto à comida, o difícil foi escolher, tamanha a variedade de pratos, apresentada numa ementa que parecia não ter fim. Fiquei com vontade de passar os talheres por muitos deles mas optei por uma das suas especialidades. Quanto aos preços, são bastante sensatos tendo em conta a qualidade e quantidade generosa que é servida.
Quanto ao serviço de vinhos, confirmei o que de bom se dizia. Lista de vinhos maior que a ementa, apresentada em primeiro lugar dividida por regiões e cores e, dentro de cada região/cor, por produtor. Mais uma vez, escolha muito difícil. Optei pelo Vinha Othon Reserva 2006 do Dão (António Canto Moniz), feito a partir das castas Touriga Nacional, Tinta Roriz e Jaen, enxertadas em vinhas velhas, com mais de 50 anos. Estagiou durante 14 meses em barricas de carvalho francês e americano. Excelente cor, belo aroma (flores, fruta, madeira no sítio), finura extrema na boca mas de belo porte (bela complexidade e concentração) foi uma escolha acertada para a refeição. Deixei-me encantar pelo vinho que ainda não tinha tido oportunidade de provar. É sem dúvida um excelente vinho que não deixou indiferentes os restantes comensais. Recomendo vivamente. Quanto ao preço? O preço de prateleira ronda dos €15 (à venda na garrafeira ao lado do restaurante). À mesa custou €18… Pensar que em certos restaurantes se paga pouco menos que isso por um Esteva, Monsaraz, etc. (sem desprimor por estes vinhos), está tudo dito. Os preços dos restantes vinhos são também muito sensatos, muitos deles 20-30% mais onerosos que o preço de prateleira. Em termos comparativos, pareceu-me que os vinhos mais baratos são mais onerados à mesa. Se a minha análise estiver correcta, considero uma boa política já que permite ao visitante apreciar um vinho de gama mais elevada sem gastar muito mais por isso. Quanto ao resto, serviço atento, bons copos e temperatura correcta de serviço.
A revisitar, sem dúvida nenhuma!

Quinta da Alorna Touriga Nacional 2009 (Rosé)

Região: Tejo
Produtor: Quinta da Alorna
Castas: Touriga Nacional
Custo: € 4,61 (Supermercados Sá)
Álcool: 13%
Vertido na folha: Rosa intenso cristalino. Aroma muito perfumado e adocicado a flores e frutos vermelhos. Boca semelhante às notas do nariz, muito agradável, com volume e algum vegetal que lhe confere um bom equilíbrio. Final suave, guloso e de uma intensidade muito interessante para um rosé. Apreciado em Agosto 2010.